Voltar ao site

Muito além da doação de alimentos: conheça o poder de transformação de um comitê da Ação

Compromisso com a mudança real da sociedade está entre seus desafios

· Notícias

Muita gente acredita que o único papel de um Comitê da Ação da Cidadania é distribuir cesta básica, mas se engana quem pensa assim. Em um mundo onde as desigualdades persistem e os desafios sociais são complexos, os Comitês são iniciativas que não apenas aliviam os sintomas, mas também enfrentam as causas da fome. Eles são agentes de promoção de mudanças estruturais por meio de ações de incidência política.

Quem faz parte de nossa rede de comitês precisa seguir o código de conduta, publicado na edição de março de 2023 do Cidadania em Ação e disponível através do QR Code nesta matéria. Nele, todos os comitês precisam agir em defesa da democracia e dos direitos humanos, respeitando as diferenças entre as pessoas. Além disso, não devem divulgar notícias falsas e precisam agir com ética e responsabilidade.

Nossos comitês não se limitam à distribuição de alimentos. Eles trabalham para sensibilizar a opinião das pessoas e pressionar por políticas governamentais mais inclusivas.

Em outras palavras, ser um comitê é estar unido a uma causa que vai além da caridade e assistencialismo. É estar comprometido com a transformação real da sociedade, desafiando as desigualdades e promovendo um futuro mais justo e com mais igualdade.

 

FIQUE POR DENTRO 

Incidência política são atividades com o objetivo de influenciar as decisões políticas, a formulação de políticas públicas e a tomada de decisões em questões que afetam diretamente a comunidade. Alguns exemplos:

1. Campanhas de conscientização: os Comitês podem organizar campanhas para aumentar a conscientização sobre questões relevantes, como combate à fome, acesso a serviços de saúde, educação de qualidade ou habitação adequada;

2. Advocacy (Políticas públicas): os Comitês podem se envolver em diálogos e reuniões com políticos, apresentando dados e informações relevantes para destacar a necessidade de políticas específicas. Por exemplo, o Comitê pode se reunir com o prefeito para discutir a importância de um restaurante popular no município;

3. Atos públicos: eventos públicos, como manifestações, chamam a atenção da mídia e da comunidade, pressionando os tomadores de decisão a fazerem algo a respeito;

4. Participação em rede: trabalhar em parceria com outros Comitês para fortalecimento das ações de incidência política;

5. Acompanhamento de políticas: acompanhar de perto programas e políticas é uma forma de assegurar que elas estejam sendo realizadas da maneira correta. Um exemplo foi a pesquisa feita pelos Comitês do Rio sobre a qualidade da alimentação escolar;

6. Participação em audiências públicas: participar de audiências públicas é uma forma direta de interagir com os representantes eleitos e contribuir para criação de políticas públicas alinhadas com as necessidades da comunidade;

7. Participação em Conselhos: os Conselhos de Direitos, como de Segurança Alimentar e Nutricional, Assistência Social e Defesa dos Direitos das Crianças e Adolescentes, são importantes espaços de discussão e formulação de políticas públicas. Os Comitês da Ação precisam estar nestes ambientes;

8. Realização de rodas de conversas: juntar a comunidade em roda para discutir assuntos de interesse de todos é uma das atividades realizadas pelos Comitês. Todos os meses, nosso jornal oferece um texto e orientações sobre como essa atividade pode ser realizada.